Contenido principal del artículo

Raquel Marta
City University of New York – College of Staten Island
Estados Unidos
Biografía
Vol. 6 Núm. 10 (2016), Epistemes, Páginas 50-73
DOI: https://doi.org/10.30827/tsg-gsw.v6i10.4084
Recibido: mar 1, 2016 Aceptado: may 3, 2016 Publicado: jun 27, 2016
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

O debate em torno do processo de construção do conhecimento científico em serviço social está lançado. A classe procura novos fundamentos que permitam, num cenário de mutações estruturais, fortalecer a identidade profissional numa óptica de combate aos vestígios de segregação intelectual que os constrangimentos históricos – institucionais deixaram. Isento de pretensiosismo, este trabalho procura esboçar uma estratégia de investigação para a conciliação e coordenação do trabalho intelectual – profissional, de forma a desencadear e dar visibilidade a novos e diferentes domínios de interpretação e acção ao mesmo tempo que reivindica a possibilidade de abordagens pluri perspectivadas potenciadoras de processos de transformação na edificação do saber. Numa confluência necessária ao pensamento complexo, também aqui trazemos a consideração de que é através da circularidade que se interroga tudo o que é compartimentado e fragmentado, numa ênfase colocada não somente no conhecimento, mas na inter-relação entre saber, fazer, ser e relacionar, bem como no subsequente reconhecimento da natureza desses mesmos relacionamentos.

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Bookmark and Share

Citas

Adams, R., Dominelli, L. e Payne, M. (2009). Practising Social Work in a Complex World (2ª ed.).Basingstoke: MacMillan Press.

Albarello, L. et all, (1997). Práticas e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

Almeida, J. F. & Pinto, J. M. (1982). A Investigação nas Ciências Sociais. Lisboa: Presença.

Andrade, M. (2001). Serviço Social e Mutações do Agir na Modernidade. Tese de Doutoramento (Cap. III). São Paulo: PUC/SP.

Bachelard, G. (2008). O Novo Espírito Cientifico. Lisboa: Edições 70.

_________ (2009). A Filosofia do Não, (6ª ed.), Lisboa: Presença.

Baptista, M. V. (2001). A Investigação em Serviço Social. Lisboa, São Paulo: CPIHTS, Veras.

Beech, N. e Cairns, G. (2001). Coping with change: The contribution of postdichotomous ontologies, Human Relations, 54 (10), 1303-1324.

Branco, F. (2008). A Investigação em Serviço social em Portugal: Trajectórias e perspectivas. Locus Soci@l 1, 32-47. Disponível em: http://www.locussocial.cesss-ucp.com.pt/page4/files/page4_11.pdf

Castells, M. (2003). O Poder da Identidade – A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura, Vol. II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Corcuff, P. (2001). As Novas Sociologias. Sintra: VRAL, Lda.

Dominelli, L. (2004). Social Work: Theory and Practice for a Changing Profession. Cambridge: Polity Press.

Faleiros, V. P. (1999). Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez.

_________ (2001). Desafios do Serviço Social na era da globalização. Em Helena Mouro, & Dulce Simões (coord.), 100 anos de Serviço Social (pp. 313-349), Coimbra: Quarteto.

_________ (2013). Globalização, correlação de forças e Serviço Social. São Paulo: Cortez.

Giddens, A. (1989). A Constituição da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

________ (2000). Dualidade da Estrutura – Agência e Estrutura. Oeiras: Celta.

Karsz, S. (2004). Pourquoi le travail social ?. Paris : Dunod.

Le Moigne, JL. (2007). The Intelligence of Complexity. Do the ethical aims of research and intervention in education and training not lead us to a “new discourse on the study method of our time?. Sísifo, 4, 115-126.

Martins, A. (1999). Serviço Social e Investigação. Em M. A.Negreiros, A. Martins, et all Serviço Social, Profissão & Identidade, que Trajectória? (pp. 45-65). Lisboa/São Paulo: Veras Editora.

________ (2002). Investigação em Serviço Social: perspectivas actuais. Em A. Henríquez, M. A. Farinha (Org.), Serviço Social: Unidade na Diversidade. Encontro com a Identidade Profissional (pp. 50-61), I Congresso Nacional de Serviço Social, Lisboa, Associação dos Profissionais de Serviço Social: Aveiro.

Morin, E. (1997). O Método I. A Natureza da Natureza (3ªed.). Mem Martins: Europa-América.

Morin, E. e Le Moigne JL. (2009). Inteligência da Complexidade. Lisboa: Piaget.

Negreiros, M. A. (1999). Qualificação Académica e Profissionalização do Serviço Social – o caso português. Em M. A.Negreiros, A. Martins, et all, Serviço Social, Profissão & Identidade, que Trajectória?. Lisboa/ São Paulo: Veras Editora.

Netto, J. P. (1996). Transformações Societárias e Serviço Social. Serviço Social e Sociedade, nº 50. São Paulo: Cortez.

Nunes, A. S. (2005). Questões preliminares sobre as Ciências Sociais. Queluz: Presença.

Payne, M.(1998). Social Work theories and reflective practice. Em R. Adams, L. Dominelli e M. Payne, (Eds.), Social Work: themes, issues and critical debates (pp.123-138). Basingstoke: Palgrave MacMillan.

_______ (2002). Teoria do Trabalho Social Moderno. Coimbra: Quarteto.

Rein, M., & White, S. H. (1981). Knowledge for Practice. Social Service Review, 55( 1), 1–41.

Santos, B. S. (1989). Introdução a uma Ciência Pós- Moderna. Porto: Afrontamento.

Wallerstein, I. (1996a). Le Futur des Sciences Sociales. Colecção Les Classiques des Sciences Sociales Disponível em : http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/index.html

Wallerstein, I. (1996b). Para abrir as Ciências Sociais: Relatório da Comissão Gulbenkian sobre a reestruturação das Ciências Sociais. Mem Martins: Publicações Europa-América.