Contenido principal del artículo

Rosa Gomes
Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
Portugal
Biografía
Sónia Guadalupe
Instituto Superior Miguel Torga Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra
Portugal
Biografía
Vol. 10 Núm. 19 (2020), Praxis, Páginas 257-280
DOI: https://doi.org/10.30827/tsg-gsw.v10i19.15863
Recibido: Sep 2, 2020 Aceptado: Nov 23, 2020 Publicado: Dec 21, 2020
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

O artigo analisa o programa “A Brincar também se Aprende” para crianças e jovens com VIH e suas famílias. Em 17 edições, teve 687 participantes: 459 crianças e jovens infetadas e afetadas pela doença e 228 cuidadores. Metodologicamente, a avaliação usou a análise de conteúdo de testemunhos dos participantes em 6 edições. Emergiram cinco categorias, sendo as três primeiras mais referidas: 1) Avaliação da iniciativa, dinâmica e programação; 2) Partilha e fator facilitador de relações interpessoais e de integração; 3) Promoção de cuidados e do bem-estar; 4) Suporte social; 5) Reforço e Valorização. A avaliação sustenta empiricamente o programa para que seja adotado noutros contextos de intervenção social com crianças e jovens com doença crónica, dado o potencial na promoção da saúde e bem-estar psicossocial.

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Bardin, L. (1977). L' Analyse de Contenu. Paris: Presses Univcrsitaires de France.

Betancourt, T. S., Abrams, E. J., McBain, R. & Fawzi, M. C. (2010). Family-centred approaches to the prevention of mother to child transmission of HIV. Journal of the International AIDS Society, 13(2). Doi: https://doi.org/10.1186/1758-2652-13-S2-S2

Candeias, N. M. F. (1997). Conceitos de educação e de promoção em saúde: mudanças individuais e mudanças organizacionais. Revista de Saúde Pública, 31(2), 209-213. Doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000200016

Coscrato, G., Pina, J. C. & Mello, D. F. (2010). Utilização de atividades lúdicas na educação em saúde: uma revisão integrativa da literatura. Acta Paul Enfrem, 23(2), 257-63. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000200017

Deeks, S. G., Lewin, S. R. & Havlir, D. V. (2013). The end of AIDS: HIV infection as a chronic disease. Lancet, 382(9903), 1525–1533. Doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)61809-7

Drummond, I., Pinto, J. A., Santana, W. S. B., Modena, C. M. & Schall, V. T. (2009). A inserção do lúdico no tratamento da SIDA pediátrica. Análise Psicológica, 27(1), 33-43. Obtido de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312009000100003&lng=pt&tlng=pt

Gewirtz, A. & Gossart-Walker, S. (2000). Home-based treatment for children and families affected by HIV and AIDS: dealing with stigma, secrecy, disclosure, and loss. Child Adolescent Psychiatric Clinics North America, 9(2), 313-330. Obtido de https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10768069/

Gomes, R. (2011). Intervenção do Serviço Social. In G. Rocha et al. (org.). A infeção VIH na criança e no adolescente (pp.55-60). Grupo de trabalho sobre infeção VIH na criança. ASIC - Associação de Saúde Infantil de Coimbra. Obtido de https://www.spp.pt/UserFiles/file/Protocolos/Infecao_VIH_Crianca_Adolescente_Marco_2011.pdf

________ (2019). “A brincar também se aprende”: Análise e avaliação de um projeto de intervenção social (Dissertação de Mestrado em Serviço Social). Coimbra: Instituto Superior Miguel Torga.

Gonçalves, K. M. M., Costa, M. T. T. C. A., Silva, D. C. B., Baggio, M. E., Corrêa, A. R. & Manzo, B. F. (2020). Ludic strategy for promoting engagement of parents and caregivers in the safety of pediatric patients. Revista Gaúcha de Enfermagem, 41, e20190473. Doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2020.20190473

Guadalupe, S. (2012). A intervenção do Serviço Social na Saúde com Famílias e em Redes de Suporte Social. In M.I. Carvalho (coord.). Serviço Social na Saúde (pp. xx-xx). Lisboa: Pactor.

Guerra, I. C. (2000). Fundamentos e Processos de Uma Sociologia de Acção. Cascais: Principia.

Idáñez, M. J. A. & Ander-Egg, E. (2002). Avaliação de Serviços e Programas Sociais. Lisboa: Projecto Atlântida.

Pereira, M. & Canavarro, M. C. (2010). Adversidade na gravidez: um estudo comparativo da adaptação de grávidas infectadas pelo VIH e grávidas sem risco médico associado. Psicologia, Saúde & Doenças, 11(2), 179-197. Obtido de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S1645-00862010000200002&script=sci_arttext&tlng=es

Rocha, G. (2016). Despedidas com a certeza do reencontró. Revista SIDA, 23, 14-16. Obtido de https://store.newsfarma.pt/sumarios/item/1080-sida-23-setembro-outubro-2016.html

Rocha, G., Gomes, R. & Branco, T. (2015). Ensinar medidas preventivas a crianças e adolescentes seropositivos. SIDA NewsFarma, 17, 8-11. Obtido de https://store.newsfarma.pt/sumarios-2015/item/815-sida-17-setembro-outubro-2015.html

Rocha, G., Marques, J. G., Marques, L., Prata, F. & Tavares, M. (2011). A infeção VIH na criança e no adolescente. Grupo de trabalho sobre infeção VIH na criança. ASIC - Associação de Saúde Infantil de Coimbra. Obtido de https://www.spp.pt/UserFiles/file/Protocolos/Infecao_VIH_Crianca_Adolescente_Marco_2011.pdf

Rotheram-Borus, M.J., Swendeman, D., Lee, S.J., Li, L., Amani, B. & Nartey, M. (2011). Interventions for families affected by HIV. Translational Behavioral Medicine, 1(2), 313–326. Doi: https://doi.org/10.1007/s13142-011-0043-1

Santos, J. R. & Minetto, G. P. (2013). O Lúdico na Educação Infantil e a prticipação do Serviço Social. Revista do Instituto de Pesquisas e Estudos. Obtido de http://ojs.ite.edu.br/index.php/css/article/download/133/180

Schenk, K. & Michaelis, A. (2010). Community interventions supporting children affected by HIV in sub-Saharan Africa: A review to derive evidence-based principles for programming. Vulnerable Children and Youth Studies, 5(sup1), 40–54. Doi: https://doi.org/10.1080/17450121003605261

Serapioni, M. (2016). Conceitos e métodos para a avaliação de programas sociais e políticas públicas. Sociologia, 31, 59-80. Obtido de

http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0872-34192016000100004&lng=pt&tlng=pt.

UNAIDS (2020). Últimas estadísticas sobre el estado de la epidemia de sida. Obtido de https://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/UNAIDS_FactSheet_es.pdf

Vieira, I. D. (2017). A participação - Um paradigma para a Intervenção Social. Lisboa: Universidade Católica Editora.

Vranda, M. N. & Mothi, S. N. (2013). Psychosocial Issues of Children Infected with HIV/AIDS. Indian journal of psychological medicine, 35(1), 19–22. Doi: https://doi.org/10.4103/0253-7176.112195

Zannon, C. M. L. da C. (1991). Desenvolvimento psicológico da criança: Questões básicasrelevantes à intervenção comportamental no ambiente hospitalar. Psicologia, Teoria e Pesquisa, 7(2), 119-136.