Contenido principal del artículo

Reginaldo Ghiraldelli
Universidade de Brasília (UnB), Brasil
Brasil
Biografía
Andreia de Oliveira
Universidade de Brasília (UnB), Brasil
Brasil
Biografía
Vol. 10 Núm. 19 (2020), Epistemes, Páginas 79-103
DOI: https://doi.org/10.30827/tsg-gsw.v10i19.11844
Recibido: Jan 16, 2020 Aceptado: May 13, 2020 Publicado: Dec 21, 2020
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

El artículo analiza las acciones profesionales y las condiciones laborales de los/as trabajadores/as sociales en la esfera de la Atención Primaria a la Salud en el Distrito Federal - Brasil, con el objetivo de comprender los límites y las posibilidades de la actuación profesional en ese espacio ocupacional. Desde el análisis cualitativo, basado en la revisión bibliográfica-documental y en la investigación de campo con aplicación de cuestionarios y entrevistas semiestructuradas, se observan, en el contexto de metamorfosis en el mundo laboral, condiciones que afectan en el cotidiano de los/as trabajadores/as sociales. Teniendo en cuenta la actual situación de Brasil, de remodelación de las funciones del Estado desde una perspectiva neoliberal, los/as trabajadores/as sociales encuentran dificultades y dilemas en las tensas relaciones establecidas entre la dimensión asalariada del trabajo y los preceptos éticos y políticos.

 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Albuquerque, G. S. C. y Silva, M. J. S. (2014). Sobre a saúde, os determinantes da saúde e a determinação social da saúde. Saúde em Debate, 38(103), 953-965. doi: http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.20140082

Bravo, M. I. S. (2007). Política de Saúde no Brasil. En A. E. Mota y M. I. S. Bravo (Eds.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional (pp. 25-49). São Paulo: Cortez Editora.

Bravo, M. I. S. y Matos, M. C. (2007). Projeto ético-político do Serviço Social e sua relação com a Reforma Sanitária: elementos para o debate. En A. E. Mota y M. I. S. Bravo (Eds.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional (pp. 197-217). São Paulo: Cortez Editora.

Bravo, M. I. S., Pelaz, E. J. y Pinheiro, W. N. (2018). As contrarreformas na política de saúde do governo Temer. Argumentum, 10(1), 9-23.

doi: http://10.18315/argumentum.v10i1.19139

Campos, G. W. S. y Domitti, A. C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23(2), 399-407. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016

Fleury-Teixeira, P. (2009). Uma introdução conceitual à determinação social da saúde. Saúde em Debate, 33(83), 380-389.

Recuperado de: https://www.redalyc.org/pdf/4063/406345800005.pdf

Guerra, Y. (2012). A dimensão técnico-operativa do exercício profissional. En C. M. Santos, S. Backx e Y. Guerra (Comps.). A dimensão técnico-operativa no Serviço Social: desafios contemporâneos (pp.39-68). Juiz de Fora: Editora UFJF.

Guimarães, E. M. S. (2017). Expressões conservadoras no trabalho em saúde: a abordagem familiar e comunitária em questão. Revista Serviço Social e Sociedade, (130), 564-582. doi: https://doi.org/10.1590/0101-6628.124

Iamamoto, M. V. (2009). Os espaços sócio-ocupacionais do assistente social. En CFESS y ABEPSS (Eds.), Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais (pp.341-375). Brasília: CFESS/ABEPSS.

Lavras, C. (2011). Atenção Primária à Saúde e a Organização de Redes Regionais de Atenção à Saúde no Brasil. Revista Saúde e Sociedade, 20(4), 867-874. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000400005

Lei nº8080, 19 de setembro de 1990, Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 de setembro de 1990, núm. 182. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8080.htm

Lei nº8142, de 28 de dezembro de 1990, Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, 28 de Dezembro de 1990. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8142.htm

Lei nº12.317, de 26 de agosto de 2010, Acrescenta dispositivo à Lei no 8.662, de 7 de junho de 1993, para dispor sobre a duração do trabalho do Assistente Social. Diário Oficial da União, 27 de agosto de 2010. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12317.htm

Matos, M. C. (2009). Assistente Social: trabalhador(a) da área da saúde. Reflexões a partir do debate brasileiro. Revista Interacções, (17), 45-63. Recuperado de https://www.interacoes-ismt.com/index.php/revista/article/view/315/327

----------------- (2015). Considerações sobre atribuições e competências profissionais de assistentes sociais na atualidade. Revista Serviço Social e Sociedade, (124), 678-698. doi: https://doi.org/10.1590/0101-6628.046

Mota, A. E. (2014). Espaços ocupacionais e dimensões políticas da prática do assistente social. Revista Serviço Social e Sociedade, (120), 694-705. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.005

Netto, J. P. (2001). Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. (5ª ed). São Paulo: Cortez Editora.

Raichelis, R. (2011). O assistente social como trabalhador assalariado: desafios frente às violações de seus direitos. Serviço Social e Sociedade, (107), 420-437. doi: https://doi.org/10.1590/S0101-66282011000300003

Resolução CNS nº 218, de de 6 de março de 1997, Regulamentação das profissões de Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Recuperado de: http://www.crefrs.org.br/legislacao/pdf/res_cns_218_1997.pdf

Trindade, R. L. P. (2012). Ações profissionais, procedimentos e instrumentos no trabalho dos assistentes sociais nas políticas sociais. En C. M. Santos, S. Backx e Y. Guerra (Comps.). A dimensão técnico-operativa no Serviço Social: desafios contemporâneos (pp.69-102). Juiz de Fora: Editora UFJF.