Revistas de la Universidad de Granada

O Parâmetro Movimento em Língua de Sinais Portuguesa

Isabel Sofia Calvário Correia

Resumen


Este artigo pretende descrever o parâmetro movimento em Língua de Sinais portuguesa. Começamos por tratar questões terminológicas relativamente à designação “Língua de Sinais portuguesa” para em seguida, a partir de um ponto de vista descritivo, sintetizar os valores do parâmetro movimento, enquanto unidade mínima, na Língua de Sinais portuguesa. Em primeiro lugar, consideramo-lo enquanto querema e as suas concretizações querológicas; em segundo lugar, consideramos esse parâmetro como morfema em nomes e como morfema derivacional na formação de nomes e verbos. Também o perspetivamos como morfema com traços semânticos peculiares no sistema pronominal - pronomes pessoais - na Língua de Sinais portuguesa e nos argumentos do verbo. Servimo-nos de dados de outras línguas de sinais para sustentar a nossa síntese descritiva deste parâmetro na Língua de Sinais portuguesa.

 

 


Palabras clave


Língua de Sinais portuguesa, movimento, morfema, querema

Citas


Amaral, M. A.; Coutinho, A. & Delgado-Martins, R. (1994). Para uma Gramática da Língua Gestual Portuguesa. Lisboa: Caminho.

Bauman, H.-D.; Murray, J. (2014). Deaf Gain: Raising the Stakes for Human Diversity. Minnesota: University of Minnesota press.

Capovilla, F. C.; Garcia, W. (2011). “Visemas, quiremas, e bípedes implumes: Por uma revisão taxonômica da linguagem do surdo que substitua visemas por fanerolaliemas, e quiremas por simatosemas para forma de mão (quiriformemas), local de mão (quiritoposema), movimento de mão (quiricinesema), e expressão facial (mascarema)”. In F. C. Capovilla (Org.), Transtornos de aprendizagem, 2: da análise laboratorial e da reabilitação clínica para as políticas públicas de prevenção pela via da educação (pp. 96-101). São Paulo: Memnon.

Carvalho, P. V. (2013). A Herança do Abade de L’Épée na Viragem do século XVIII para o século XIX. Lisboa: The Factory.

Correia, I.; Custódio, P. B. (2019). Do Gesto ao Sinal: Reflexões sobre terminologia linguística. In I. Correia, P. B. Custódio & R. M. R. Campos, Línguas de Sinais: Cultura, Educação, Identidade (pp. 59-74). Lisboa: edições Ex-Libris®.

Correia, I. (2016). “Descrever a LGP em Contexto Bilingue: o Género”. Revista Leitura, Línguas de Sinais: abordagens teóricas e aplicadas 57, (1), janeiro-junho, 172-197.

Correia, I. (2015). “Morfologia Derivacional em Língua Gestual Portuguesa. Alguns Exemplos”. Exedra, 9, 159-172 Disponível em: http://exedra.esec.pt/wp-content/uploads/2015/05/n9-C4.pdf

Correia, I. (2009). “O Parâmetro Expressão na Língua Gestual Portuguesa”: Unidade Suprassegmental. Exedra, 1, 57-68. Disponível em: http://exedra.esec.pt/docs/01/57-68.pdf

Colaço, D.; Mineiro, A, (2010). Introdução à Fonética e Fonologia na Língua Portuguesa e na LGP. Lisboa: Universidade Católica.

Eco, U. (1978). O Signo. Lisboa: Editorial Presença.

Finau, R. (2004). Os Sinais de Tempo e Aspecto na LIBRAS. Curitiba: Universidade Federal do Panamá (dissertação policopiada).

Gazeta de Lisboa, nº8, 9-01-1824.

Goldwin-Meadow, S.; Brentari, D. (2017). “Gesture, sign and language: The coming of age of sign language and gesture studies”, [manuscrito de autores]. Disponível em:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4821822/

Kuhn, J. (2015). Cross-Categorial Singular and Plural Reference in Sign Language, New York University (dissertação policopiada).

Nascimento, S.; Correia, M. (2011). Um Olhar Sobre a Morfologia dos Gestos. Lisboa: Universidade Católica.

Petitto, L.A.; Marentette, P. (1991). "Babbling in the manual mode: Evidence for the ontogeny of language". Science, 251, 1483-1496.

Pereira, R. A. (2009). “Unidade e Diversidade semântica dos verbos derivados em português”. Verba, 36, 15-46. Verba. Anuario Galego de Filoloxía.

Quadros, R. M.; Karnopp, L. B. (2004). Língua de Sinais Brasileira. Estudos Linguísticos. São Paulo: Artmed.

Resende da Nóbrega, V. R. (2016). “Sigmanulogia: proporcionando uma teoria linguística da língua de sinais”. Revista Leitura. Línguas de Sinais: abordagens teóricas e aplicadas, 57 (1) 198-218.

Rio-Torto, G. et al. (2016). Gramática Derivacional do Português, Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Rodrigues, C.; Valente, F. (2012). Aspetos Linguísticos da Libras, Curitiba: IESD.

Sandler, W.; Lillo-Martin, D. (2006). Sign Language and Linguistic Universals. Cambridge: Cambridge University Press.

Silva, R. (2012). Signwriting: Um sistema de Escrita das Línguas Gestuais, Lisboa, Universidade Lusófona [dissertação policopiada]

Stokoe, W. ([1960]2005). “Sign Language Structure: An Outline of Visual Communication Systems of the American Deaf”: Journal of Deaf Studies and Deaf Education, 10, 3-37. DOI: https://doi.org/10.1093/deafed/eni001

Webgrafia: Exemplos de ASL/LSF

ASL Dictionary “plural form for tree” (n.d.). Retirado de https://www.handspeak.com/word/search/index.php?id=2264

ASL That. “Pronouns- personal vs possessive” in ASL. (n.d.). Retirado de https://www.youtube.com/watch?v=N9ilanrNFe8

ASL That. “Noun-verb pairs” (n.d.). Retirado de https://www.youtube.com/watch?v=4gc6fwXwFV0

ASL That. Directionality-Directional Verbs (n.d.). Retirado de https://www.youtube.com/watch?v=_wwt0VH6y8c


Texto completo: PDF (Português (Portugal))
Contador de visualizaciones: Resumen : 390 vistas. PDF (Português (Portugal)) : 68 vistas.

Refbacks



Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Contacto

Editorial Universidad de Granada

Dirección: Colegio Máximo, Campus Universitario de Cartuja CP:18071 Granada (Granada)

Teléfono: 958243932

Fax: 958243931

Email: direccioneug@ugr.es

Web: http://editorial.ugr.es