Revistas de la Universidad de Granada

Performatividade, assujeitamento e silenciamento do “eu gay”: reflexões entre docência e diversidade sexual

Jaílson Bonatti

Resumen


A discussão e possibilidade de inclusão da temática diversidade sexual na formação educacional irrompem na possibilidade de se pensar outras formas de desejos e intencionalidades relacionados à vivência da sexualidade, adquiridas enquanto uma (trans)formação cultural e social voltada ao construto de referenciais e metodologias próprias ao entendimento das diferenças de relações afetivos-sexuais no espaço formativo educacional. O  objetivo deste ensaio científico se ambasa na necessidade de analisar de que forma a docência e diversidade sexual se articulam para construir e significar performances de gênero, e de como essa construção se aproxima ou influencia o fazer educativo no espaço da escola e da universidade. As reflexões que ressalto neste artigo apontam que a escola em sua função de formação para cidadania, emancipação, direitos e deveres ainda não contornou o retrocesso do preconceito estrutural. Por isso, tanto a educação básica como superior descumprem em certa medida a transformação da realidade dos sujeitos que nelas se inserem. 

 


Palabras clave


diversidade sexual; gênero; performatividade

Citas


Altmann, H. (2013). Diversidade sexual e educação: desafios para a formação docente. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, 13, 69-82.

Andrade, L. N. de. (2012). Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. Tese (doutorado) Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza.

Barroso, J. (2005). O estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação e Sociologia, 26(92), 725-751.

Butler, J. (2018). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 16.ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Canan, S. R. (2009). Diretrizes nacionais para a formação de professores da educação básica: tensões e limites entre o específico e o pedagógico. Tese (doutorado). Universidade do Valo do Rio dos Sinos, Programa de Pós-graduação em Educação. São Leopoldo.

Coelho, L. J.; Campos, L. M. L. (2015). Diversidade sexual e ensino de ciências: buscando sentidos. Ciência Educacional, 21(4), 893-910.

Darsie, C.; Saraiva, E. S. (2016). Gênero e diversidade sexual na educação. Reflexão e Ação, 24(1). Disponível em: . Acesso em: 20 de ago. de 2018.

Dourado, L. F. (2016). Formação de profissionais do magistério da educação básica: novas diretrizes e perspectivas. Comunicação & Educação, XXI, 1, 27-39.

Foucault, M. (1988). A história da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Flores, M. A. (2010). Algumas reflexões em torno da formação inicial de professores. Educação, 33(3), 182-188.

Marques, V.; Satriano, C. (2017). Narrativa autobiográfica do próprio pesquisador como fonte e ferramenta de pesquisa. Linhas Críticas, 23(51), 369-386.

Méndez-Tapia, M. (2017). Reflexiones críticas sobre homofobia, educación y diversidade sexual. Educação & Realidade, 42(2), 673-686.

Salih, S. (2018). Judith Butler e a Teoria Queer. 1.ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Saviani, D. (1982). Teorias da educação o problema da marginalidade na América Latina. Cadernos de Pesquisas, 42, 8-18.

Saviani, D. (2008). Política educacional brasileira: limites e perspectivas. Revista de Educação, 24, 7-16.

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14(40), 143-155.

Saviani, D. (2011) Formação de professores no Brasil: dilemas e perspectivas. Poíesis Pedagógica, 9(1), 7-19.

Saviani, D. (2011). O direito à educação e a inversão de sentido da política educacional. Revista Profissão Docente, 11(23), 45-58.

Saviani, D. (2015). Sobre a natureza e especificidade da educação. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 7(1), 286-293.

Saviani, D. (2017). Epistemologias da política educacional: algumas precisões conceituais. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, 2, 1-5.

Tardiff, M. (2013). El oficio docente en la actualidad: perspectivas internacionales y desafíos a futuro. In M. Poggi (org.), Políticas docentes: formación, trabajo y desarrollo profesional (pp. 19-44). 1ª ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Instituto Internacional de Planeamiento de la Educación.

Tardiff, M. (2013). A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação & Sociedade, 34(123), 551-571.

Tardiff, M.; Moscoso, J. N. (2018). La noción de “profesional reflexivo” en educación: actualidad, usos y límites. Cadernos de Pesquisa, 48(168), 388-411.


Texto completo: PDF (Português (Portugal))
Contador de visualizaciones: Resumen : 198 vistas. PDF (Português (Portugal)) : 47 vistas.

Refbacks



Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .

Contacto

Editorial Universidad de Granada

Dirección: Colegio Máximo, Campus Universitario de Cartuja CP:18071 Granada (Granada)

Teléfono: 958243932

Fax: 958243931

Email: direccioneug@ugr.es

Web: http://editorial.ugr.es