Contenido principal del artículo

Maria Estela de Oliveira Mosca
Universidade do Minho
Portugal
Núm. 11 (2017), Artículos, Páginas 15-23
DOI: https://doi.org/10.30827/dreh.v0i11.6803
Recibido: Jan 29, 2018 Aceptado: Jan 29, 2018 Publicado: Mar 7, 2017
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

A partir do argumento de que a música é um espaço de significados e que a energia que mantém viva e ativa as práticas pedagógico-musicais na escola de educação básica é criada e alimentada por meio de uma práxis educativa – ação/reflexão/ação – apresentamos nesse ensaio diálogos sobre os fazeres musicais em um contexto educacional diversificado. Ao apresentarmos um relato reflexivo sobre a música de cada um, a música do mundo, a música e as artes e música e inclusão – aspectos da diversidade no contexto musical escolar –, damos vida a narrativa de vivenciar música na diversidade. Nesses processos, compreendemos os âmbitos musicais, sociais, religiosos e de desenvolvimento humano da diversidade escolar, e buscamos um currículo de música que seja sociocultural, que entenda a cultura como um grande código da sociedade. Assim, ao aprender e ensinar música dentro de uma realidade sociocultural diversa, que valoriza o poder mobilizador da cultura na educação musical, pretende-se uma educação musical onde todos tenham oportunidades de participação, como ouvintes, performes, improvisadores e compositores.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Burch, S. (2006). Sociedade da informação/Sociedade do conhecimento. Disponível em: http://vecam.org/article519.html Consultado en 25/02/2015.

Cunha, A. C. (2014). Multiculturalismo e educação da diversidade crítica/crítica. Santo Tirso: Whitebooks.

Demo, P. (2000). Educação e conhecimento: relação necessária, insuficiente e controversa. Petrópolis: Vozes.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido (17 ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, F. (2000). Conhecer. En Romano, R. (Coord.), Conhecimento (253-287). Enciclopédia Einaudi, vol. 41. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Kramer, S. (1998). O que é básico na escola básica? Contribuições para o debate sobre o papel da escola na vida social e na cultura. In Kramer, S.; Leite, M. I. F. P. (Coords.). Infância e produção cultural (11-24). Campinas: Papirus.

Morin, E. (2002). Repensar a reforma, reformar o pensamento: a cabeça bem feita. Lisboa: Instituto Piaget.

Orff, C. (2011). Reflexiones sobre la música con niños y aficionados. En Haselbach, B. (Coord.), Textos sobre teoría y práctica del Orff-Schulwerk (31-34). Vitoria-Gasteiz: Agruparte.

Pacheco, J. A. (2014). Educação, formação e conhecimento. Porto: Porto Editora.

Queiroz, L. R. S. (2004). Educação musical e cultura: singularidade e pluralidade cultural no ensino e aprendizagem da música. Revista da ABEM, Porto Alegre, 10 (2004) 99-107.

Regner, H. (2011). Música para niños: comentários sobre la adopción y adaptación del Orff-Schulwerk en otros países. En

Haselbach, B. (Coord.). Textos sobre teoria y práctica del Orff-Schulwerk (79-88). Vitoria-Gasteiz: Agruparte.

Sousa, J. M. (2012). Currículo-como-vida. En Paraíso, R. A. V; Sales, S. R. (Coords.). Desafios contemporâneos sobre currículo e escola básica (13-24). Curitiba: Editora CRV.

Young, M. F. D. (2010). Conhecimento e currículo: do socioconstrutivismo ao realismo social na sociologia da educação. Porto: Porto Editora.