Design, Educação e Formação. Uma visão situada e transversal TITLE: Design, Education and Training. A transversal and situated vision

Bartolomeu Paiva

Resumen


A escola é uma identidade na qual o aprender e a reprodução do saber devem consubstanciar uma cultura educacional e formativa indutora da compreensão renovada do quotidiano social e consentânea com a emergência das complexidades do nosso tempo.

Baseados neste pressuposto e na expectativa da afirmação da escola para além da sua vocação epistemológica, defendemos uma visão curricular que integre referentes ecológicos, (est)éticos e cívicos capazes de a declarar como centro de conhecimento, cultura e lazer, na qual o paradigma interdisciplinar determine aprendizagens e saberes que contribuam para formas alternativas e qualificadas de comportamento social.

No âmbito disciplinar do design, importa considerar o seu papel mediador na aquisição de competências de índole teórica e prática aplicadas ao intercontexto físico, digital e social, ou seja, uma visão estratégica que não reduz o design à mera função ou predeterminação técnica da coisa, situando-o antes como disciplina didáctica e pedagógica na interpretação e compreensão mais apuradas dos significados e fenómenos do mundo contemporâneo – contrariando-se a tendência globalizadora de o reduzir a mero “objecto” de consumo e poder.

É no quadro destas perspetivas que as instituições de educação e formação nas áreas das artes e tecnologias, em que o design se inscreve, devem ampliar e promover o aprofundamento de competências de flexibilidade crítica para construir, reconstruir e renovar o conhecimento orientado para a reprodução de manifestações de convivialidade e aproximação social, com reflexos diretos na cultura educativa e formativa dos cidadãos.

ABSTRACT

School is an identity in which learning, and knowledge reproduction should create an educational and formative culture that induces a renewed understanding of social daily life and is in line with the emergence of the complexities of our times.

Based on this assumption and the expectation of the school's position beyond its epistemological vocation, we defend a curricular vision that integrates ecological, aesthetic/ethical and civic references capable of declaring it as a center of knowledge, culture and leisure, in which the interdisciplinary paradigm determines learning and knowledge that contribute to alternative and qualified forms of social behavior.

In the study field of design, it is important to consider its mediating role in the acquisition of theoretical and practical competences applied to the physical, digital and social intercontext, that is, a strategic vision that does not reduce the design to the mere function or technical predetermination of the thing, but instead sets it as a didactic and pedagogical field of study in the clearer interpretation and understanding of the meanings and phenomena of the contemporary world - opposite to the globalizing tendency to reduce it to mere consuming and power "object".

It is within these views framework that education and training institutions in the areas of arts and technology, in which design stands, should broaden and promote the development of critical flexibility skills to build, rebuild and renew knowledge guided towards the reproduction of demonstrations of user-friendliness and social approach, with direct impact on the citizens’ educational and formative culture.


Palabras clave


design, educação, formação, complexidade Keywords: design, education, training, complexity

Citas


Bürdek, B. (2011). História, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgard Blücher.

Cachapuz, A. et al (2004). Saberes básicos de todos os cidadãos no séc. XXI. Lisboa: Conselho Nacional de Educação – Ministério da Educação.

Flusser, V. (2010). Uma filosofia do design: a forma das coisas. Lisboa: Relógio d'Água.

Greene, M. (2005). Liberar la imaginación – ensayos sobre educación, arte y cambio social. Barcelona: Editorial GRAÓ.

Lidwell, et al (2011). Princípios universales de diseño. Barcelona: Blume.

Morin, E. (1999). Os sete saberes para a educação do futuro. Lisboa: Instituto Piaget.

Norman, D. (2004) Emotional Design. New York: Basic Books.

Paiva, B. (2009) Urbanidade e Educação Cultural - Supervisão e Formação em Educação Artística e Tecnológica. Penafiel: Editorial Novembro.

Sá-Chaves, I. (Org.) (2014). Educar, Investigar e Formar – Novos Saberes. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Sá-Chaves, I. (2011). Formação, conhecimento e supervisão: contributos nas áreas de formação de professores e outros profissionais (3.ª ed.). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Schön, D. A. (1992). Formar professores como profissionais reflexivos. In Nóvoa, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa : Edições Dom Quixote, pp. 77-91.


Texto completo: PDF (Português (Portugal))

Refbacks



Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .