Reincidência, Fatores de Risco e Avaliação de Risco em Vítimas de Violência Doméstica

Daniela Morais-Gonçalves, Sara Lopes-Borges, Helena Gaspar

Resumen


Por reincidência entendemos o número de vezes que a vítima, após um ou mais episódios de violência doméstica, recorre a um serviço de apoio especializado. Fatores de risco correspondem a indicadores que estão associados a caraterísticas psicológicas e psicossociais dos agressores, das vítimas e/ou da relação entre ambos e, que aumentam a probabilidade de reincidência. A avaliação de risco permite a recolha de indicadores sobre as partes envolvidas no ciclo de violência bem como a implementação de medidas que previnam o risco de reincidência e minimizem a sua agudização. O estudo contou com administração do instrumento denominado Grelha de Monotorização do Risco em Processos de Reincidência de Vítimas de Violência Doméstica, constituído por 44 itens que permitem a identificação dos fatores de risco que promovem a reincidência e que impedem as vítimas de cessar o ciclo da violência. A partir dos dados extraídos dos Relatórios de Informação Social do Gabinete de Serviço Social da Unidade Funcional de Clínica Forense do Serviço de Clínica e Patologia Forense, da Delegação do Centro do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, I. P., foi possível observar 43 vítimas do sexo feminino (88,4 %). A monotorização e a avaliação de risco de forma dinâmica e contínua são essenciais nos casos identificados de violência, uma vez que se assume como um vetor essencial na prevenção da mesma.

 


Palabras clave


Violência Doméstica, Reincidência, Fatores de Risco, Avaliação dos Fatores de Risco

Citas


Almeida, I., e Soeiro, C. (2010). Avaliação de risco de violência conjugal: versão para polícias (SARA: PV). Análise Psicológica 28(1), 179-192. Doi: https://doi.org/10.14417/ap.263

Alves, J. F. (2005). Fatores de risco e indicadores de abuso e negligência de idosos. Universidade do Minho, Minho –Portugal-. Disponível em http://hdl.handle.net/1822/4423

Associação Portuguesa de Apoio à Vitima (2010). Manual Alcipe - Para o Atendimento de Mulheres Vítimas de Violência. 2ª ed. revista e atualizada. Lisboa; Ponta Delgada: Direcção Regional da Igualdade de Oportunidades da Secretaria Regional do Trabalho e Solidariedade Social, do Governo Regional dos Açores. Disponível em www.apav.pt/apav_v2/images/pdf/ManualAlcipe.pdf

________ (2010). Manual Títono - Para o Atendimento de pessoas idosas vítimas de crime e de violência. Lisboa: APAV. Disponível em http://www.apav.pt/intranet16/images/manuais/manuais_intranet/Manual_Titono.pdf

Costa, M. E., e Duarte, C. (2000). Violência Familiar. Porto: Ambar.

Dias, I. (2004). Violência Doméstica: a outra face da família moderna. Violência na Família - uma abordagem sociológica. Porto: Afrontamento.

Douglas, K. S., & Kropp, P. R. (2002). A prevention-based paradigm for violence risk assessment: Clinic and research applications. Criminal Justica and Behavior, 29(5), 617–658. Doi: https://doi.org/10.1177/009385402236735

Douglas, K., & Lavoie, J. (2006). Avaliação e gestão do risco de violência: modelos de utilização e princípios orientadores. Coimbra: Almedina.

Feiteira, L. (2011). Manual de Avaliação de Risco. Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz. Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

Fernandes, C., Moniz, H., e Magalhães, T. (2014). Avaliação e Controlo do Risco na Violência Doméstica. Em Maria Helena Fazenda (Dir). Violência Doméstica – Avaliação e Controlo de Riscos (pp. 223-264). Lisboa: Centro de Estudos Judiciários. Disponível em https://www.fd.unl.pt/docentes_docs/ma/TQB_MA_28328.pdf

Gendreau, P., Little, T., & Goggin, C. (1996). A meta-analysis of the predictors of adult offender recidivism: What works! Criminology, 34(4), 575-608. Doi: https://doi.org/10.1111/j.1745-9125.1996.tb01220.x

Guerra, P. e Gago, L. (Coord.). (2016). Manual Pluridisciplinar - Violência Doméstica: implicações sociológicas, psicológicas e jurídicas do fenómeno. Lisboa: Centro de Estudos Judiciários. Disponível em http://www.cej.mj.pt/cej/recursos/ebooks/outros/Violencia-Domestica-CEJ_p02_rev2c-EBOOK_ver_final.pdf

Lei nº 129/2015, de 3 de setembro. Terceira alteração à Lei n.º 112/2009, de 16 de setembro, que estabelece o regime jurídico aplicável à prevenção da violência doméstica, à proteção e à assistência das suas vítimas. Assembleia da República. Diário da República n.º 172/2015, Série I de 2015-09-03

Maia, L. (2012). Violência Doméstica e Crimes Sexuais - um guia para as vítimas, familiares e amigos. Lisboa: Pactor.

Mascoli, L. (2015). O Homicídio Intrafamiliar: contributos para a avaliação de risco (Tese de Doutoramento). Universidade Fernando Pessoa, Porto –Portugal-. Disponível em https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/5102/1/Luisa%20Mascoli%20PHD.pdf

Matos, M., Machado, A., Santos, A. e Machado, C. (2012). Intervenção em grupo com vítimas de violência doméstica: Uma revisão da sua eficácia. Análise Psicológica, 30(1-2), 79-91. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v30n1-2/v30n1-2a08.pdf

Paulino, M., e Rodrigues, M. (2016). Violência Doméstica - Identificar, Avaliar, Intervir. Estoril –Portugal-: Prime Books.

Ribeiro, F. (2017). Violência Doméstica e Co-dependência - (In)Existência de uma Relação. Relatório Final de Estágio. Coimbra –Portugal-: Instituto Superior Miguel Torga.

Santos, M. J. (2010). A perícia médico-legal nos casos de violência nas relações de intimidade. Contributo para a qualidade (Dissertação de Mestrado). Universidade do Porto. Porto –Portugal-. Disponível em

https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/55453/2/teseMjoseMLSantos.pdf

Sistema de Segurança Interna (2017). Relatório Anual de Segurança Interna Ano 2016. Lisboa: Diário da Assembleia da República, II Série E – Número 12. Disponível em

https://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalheActividadeParlamentar.aspx?BID=104739&ACT_TP=RSI

União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR). (2016). Relatório final dos dados sobre o Femicídio Consumado e Tentado ocorrido em Portugal. Observatório de Mulheres Assassinadas. Disponível em

http://www.umarfeminismos.org/images/stories/oma/2016/Relat%C3%B3rio_Final_OMA_2016.pdf

VV.AA. (2013). Avaliação e Gestão de Risco em Rede. Manual para Profissionais. Associação de Mulheres contra a Violência (AMCV). Disponível em

http://www.pgdlisboa.pt/docpgd/files/1436798180_gestao_risco_emar.pdf


Texto completo: PDF (Português (Portugal))

Refbacks





 

ISSN: 2013-6757

 

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional