Repensar o Serviço Social em tempo de crise económica e financeira em Portugal

Maria-Irene Carvalho, Carla Pinto, Jorge Lopes-da-Costa, Cristina Duarte, Ana-Paula Garcia

Resumen


Este artigo tem como finalidade contextualizar as transformações da política social na área da ação social e na área da saúde em tempo de crise económica e financeira e de intervenção do fundo monetário internacional, do banco mundial e do banco central europeu (Troika), em Portugal nos últimos quatro anos. Analisamos o programa de emergência social que substituiu o plano nacional de ação para a inclusão e a evolução da implementação da rede nacional de cuidados continuados integrados. A partir destas evidências refletimos sobre os outcomes destas transformações no Serviço Social, evidenciando os aspetos negativos e os desafios para a categoria profissional. Para atingir os objetivos optamos pela análise de documentos, dados estatísticos e estudos efetuados nestes últimos anos sobre esta temática. Consideramos que num contexto de escassez de recursos e de orientação da intervenção para a emergência, o Serviço Social é desafiado a repensar-se como profissão sociopolítica tendo em conta a temporalidade da intervenção, a alocação de recursos e a formação dos profissionais.

 


Palabras clave


Políticas sociais; serviço social; crise financeira; emergência social; ; ação social; cuidados continuados

Citas


Administração Central do Sistema de Saúde (2013). Implementação e Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Relatório Final, Março 2013. Recuperado em Julho 5, 2016 de http://www.acss.min-saude.pt/category/cuidados-de-saude/continuados/

Administração Central do Sistema de Saúde (2015). Monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. 1º Semestre de 2015. Departamento de Gestão da Rede de Serviços e Recursos em Saúde. Ministério da Saúde. Recuperado em Julho 5, 2016 de http://www.acss.min-saude.pt/category/cuidados-de-saude/continuados/

Autès, M. (1999). Les paradoxes du travail social. Paris: Dunod.

Barbalet, J.M. (1989). A Cidadania. Lisboa: Estampa.

Becket, C. (2009). Essential theory for Social Practice. London: Sage.

Brémond, P.; Gérardin, É.; Ginestet, J. (2002). En quoi l’urgence sociale interrogee-t-elle les pratiques profissionelles? Empan, nº46, 129-135.

Capucha, L. (2005). Desafios da Pobreza. Lisboa: Celta.

Carvalho, M. I. (2014). Política de saúde e de cuidados continuados integrados em Portugal. O planeamento da alta em Serviço Social. Revista Katálysis. 17(2), 261-271, jul./dez. 2014.

Carvalho, M. I. L. B. (2012). Envelhecimento e cuidados domiciliários em instituições de solidariedade social. Ed. 1, Vol. 1. Lisboa: Coisas de Ler.

Colomer, M. e Rustullet, J. (Dir.) (2010). Diccionari de Serveis Socials. Generalitat de Catalunya, España: Direcció General de Serveis Socials.

Comissão Europeia (2010). Europa 2020. Estratégia para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo. Comunicación [COM(2010) 2020 final]. Legislação e Publicações da UE. EUR-Lex. Recuperado em Julho 12, 2016 de http://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN-PT/ALL/?uri=CELEX:52010DC2020

Comité Português para a UNICEF (2013). As crianças e a crise em Portugal: Vozes de Crianças, Políticas Públicas e Indicadores Sociais. Lisboa: Comité Português para a UNICEF.

Costa, J. L. da (2016). O diagnóstico do Serviço Social na determinação do gradiente da vulnerabilidade dos doentes na transição dos cuidados hospitalares para os Cuidados de longa duração (Tese de Doutoramento). Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa, Portugal. URI: http://hdl.handle.net/10400.5/12761

Costa-Font, J., Wittenberg, R., Paxtot, C., Comas-Herrera, A., Gori, C., Di Maio, A, Pickard, L., Pozzi, A. e Rothgang, H. (2008). Projecting Long Term Care Expenditure in Four European Union Member States. The influence of Demographic scenarios. Social Indicators Research, 86(2), 303-321.

Decreto-Lei n.º 101/2006, de 6 de Junho. Cria a Rede de Cuidados Continuados Integrados. Diário da República nº 109/2006, Série I-A de 2006-06-06. Pág. 3856 – 3865.

Decreto-Lei nº 25/2010, de 29 de Março. Prorroga, até 31 de Dezembro de 2010, a vigência do regime excepcional criado pelo Decreto-Lei n.º 48/2008, de 13 de Março, para a instalação ou requalificação dos serviços de saúde integrados na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Diário da República nº 61/2010, Serie I de 2010-03-29. Pág. 980-981

Direção Geral da Saúde. (2007). Manual de Boas práticas para Assistentes Sociais na Saúde na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Lisboa: Ministério da Saúde.

Direção Geral da Segurança Social. Instituto de Informática (2015). A Segurança Social em números. Recuperado em Julho 12, 2016 de

http://www.seg-social.pt/documents/10152/f7ce30be-6887-47fd-b7d6-1171b08c4d91

Emmanuelli, X., & Frémontier, C. (2002). La fracture sociale. Paris: Presses universitaires de France.

Emmanuelli, X., & Malabou, C. (2009). La grande exclusion. Paris: Bayard Culture.

Entidade Reguladora da Saúde (2013). Avaliação do Acesso dos utentes aos Cuidados Continuados de Saúde. Recuperado em Julho 12, 2016 de https://www.ers.pt/pages/73?news_id=620

European Anti Poverty Network (2015). Dados Estatísticos. Indicadores sobre a Pobreza, europeus e nacionais. Atualização de outubro 2015. Porto: EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza / Portugal. Recuperado em Julho 12, 2016 de ttp://www.eapn.pt/index.php/documento/468/indicadores-sobre-pobreza-dados-europeus-e-nacionais

European Commission (2011). The Economic Adjustment Programme for Portugal. Directorate-General for Economic and Financial Affairs. Economic Publications, occasional papers 2011, nº 79. Recuperado em Junho 2, 2016 de http://ec.europa.eu/economy_finance/publications/occasional_paper/2011/op79_en.htm

Ferreira, A. (2013). Serviço Social e desemprego de longa duração. Lisboa: Editorial Cáritas.

Fundação Francisco Manuel dos Santos (2016). Portugal Desigual: Um retrato das desigualdades dos rendimentos e da pobreza no país. Lisboa: FFMS. Recuperado de http://portugaldesigual.ffms.pt/

Garcia, B. (2011). État d’urgence pour l’urgence sociale. Empan, nº 84, 45-49.

Gardella, E.; Cefaï, D. (2011). La morale de l’urgence sociale: une enquête au SAMU Social de Paris. Empan, nº 84, 18-24.

Governo da República Portuguesa (2011). Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica. 17 de maio de 2011. Recuperado em Maio 25, 2015 de: http://www.portugal.gov.pt/media/371372/mou_pt_20110517.pdf

Instituto Nacional de Estatística (INE) (2011). Censos 2011. Resultados Definitivos, Estatísticas Oficiais. Recuperado em Julho 12, 2016 de http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpgid=censos2011_apresentacao&xpid=CENSOS

______________ (2014). Informaçăo Estatística. Destaques, 24 de março de 2014: 18,7% em Risco de pobreza em 2012. Recuperado em Agosto 7, 2016 de https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=208819520&DESTAQUESmodo=2

_____________ (2015a). Informaçăo Estatística. Destaques, 30 de janeiro de 2015: O risco de pobreza continuou a aumentar em 2013. Recuperado em Agosto 7, 2016 de https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=223346238&DESTAQUESmodo=2

_____________ (2015b). Informaçăo Estatística. Destaques, 18 de decembro de 2015: O risco de pobreza manteve-se em 19,5% em 2014. Recuperado em Agosto 7, 2016 de https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=224739104&DESTAQUESmodo=2

Laïdi, Z. (1998). L'urgence ou la dévalorisation culturelle de l'avenir. Esprit, nº 240, 8-20.

Ministério das Finanças (2012). Orçamento Estado. Relatório. Recuperado em Agosto 7, 2016 de http://static.publico.pt/docs/economia/PropRelOE2012.pdf

Ministério da Saúde (2016). Cuidados Continuados, Saúde e Apoio Social: Plano de Desenvolvimento da RNCCI 2016-2019. Recuperado em Agosto 7, 2016 de https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2016/04/Plano-de-desenvolvimento-da-RNCCI.pdf

Ministério da Solidariedade e da Segurança Social (2011). Programa de Emergência Social. Lisboa: Governo de Portugal.

Recuperado em Agosto 7, 2016 de http://www.portugal.gov.pt/pt/o-governo/arquivo-historico/governos-constitucionais/gc19/os-ministerios/msss/documentos-oficiais/20110805-programa-emergencia-social.aspx

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Gabinete de Estratégia e Planeamento (2014). Carta Social. Rede de Serviços e Equipamentos 2014. Lisboa: Direçăo de Serviços de Apoio Técnico e Documentaçao. Recuperado em Agosto 7, 2016 de https://es.slideshare.net/Ruiteixeirasantos/carta-social-portugal-2014

Netto, J. P. (2013). Assistencialismo e regressividade profissional no Serviço Social. Intervenção Social, nº41, 11-35.

Ng, S.M. & Chan, C.L.W. (2005). Intervention. In R. Adams et al. (Eds.) Social Work Futures, Crossing Boundaries, Transforming Practice (pp. 68-82). Londres: Macmillan Press.

Pinto, C. (2011). Representações e Práticas de Empowerment em Trabalhadores Sociais. (Tese de Doutoramento). Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, Portugal. URI: http://hdl.handle.net/10400.5/4230

Raichelis, R. (2013). Proteção social e trabalho do assistente social: tendências e disputas na conjuntura de crise mundial. Serviço Social e Sociedade, nº116, 609-635.

Terrolle, D. (2005). Du mirage de l’urgence sociale à la réalité anthropologique du terrain. Les Cahiers de l’Actif, nº 344/345, 21-37.

Wall, K. (Coord.); Leitão, M.; Atalaia, S.; Cunha, V. (2013). Políticas de apoio económico às famílias em 2013 (Policy Brief). Lisboa: Observatório das Famílias e das Políticas de Família /ICS.

Yazbek, M. C. (1999). O Serviço Social como especialização do trabalho coletivo. In CFESS/Abepss e CEAD/UnB (Orgs.). Curso de Capacitação em Serviço Social e Política Social, módulo 2 (pp. 89-99): Crise Contemporânea, Questão Social e Serviço Social. Brasília: CEAD/UnB.


Texto completo: PDF (Português (Portugal))

Refbacks





 

ISSN: 2013-6757

 

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional